www.audicoelum.mus.br

Participantes

 

Rosemeire MoreiraRosemeire Moreira - soprano

Graduou-se em Canto pelo Instituto de Artes (UNESP). Em 1999 concluiu o curso de pós- graduação pela Royal Academy of Music (Londres), com especialização em Música de Câmara, tendo como professores Ian Partridge (canto) e Jonathan Papp (co- repetição).

Nos últimos anos atuou como solista em diversas obras como o ciclo de Cantatas Membra Jesu Nostri de D. Buxtehude; Magnificat e Missa em Si menor de J.S. Bach; Missa em Dó menor de W.A. Mozart; Requiem de José Maurício Nunes Garcia; Stabat Mater de G.B. Pergolesi com apresentações no Brasil e no exterior. Em 1999 obteve venceu o V Concurso de Interpretação da Canção de Câmara Brasileira.

Participou da montagem da ópera L’ Orfeo de C. Monteverdi do Teatro Municipal de São Paulo destacando- se no papel de Ninfa. Também atuou nas obras Dixit Dominus de G.F. Haendel; Cantatas BWV 39 e 131 de J.S. Bach e no Oratório Jephte de Giacomo Carissimi.

Em 2007 gravou o CD de Modinhas e Lundus dos sécs. XVIII e XIX (Lundu de Marruá) junto ao grupo Lira d’ Orfeo a convite do selo Paulus com lançamento em 2008.

Suas mais recentes atuações foram no papel de Belinda na ópera Dido e Enéas sob direção cênica de Antônio Araújo e direção musical de Tiago Pinheiro.

Em continuidade ao seu trabalho de divulgação da música dos sécs. XVIII e XIX no Brasil e em Portugal, apresentou-se na Embaixada Brasileira em Buenos Aires executando árias de ópera e música sacra deste período sob direção de Ricardo Bernardes. Ainda em 2008 apresentou- se  na Real Fabrica de Tapices em Madrid junto ao grupo Vox Brasiliensis executando Modinhas e Lundus sob direção musical de Ricardo Kanji. Suas próximas atuações em 2009 serão em Paris, Lisboa e Austin (Texas).

 

 

 

Juliana Damião ChristmannJuliana Damião Christmann - soprano

Natural de Santos, graduou-se em Composição e Regência pelo Instituto de Artes da UNESP em 2001. Durante seu período acadêmico, foi bolsista pelo CNPq realizando pesquisas de iniciação científica na área de Etnomusicologia.
Estudou Canto com Neuza Ventriglia, Maria Cecília de Oliveira, Isabel Maresca, Fernando Carvalhaes e Neyde Thomaz, sua atual professora.

Atuou como solista com diversas orquestras e grupos de câmara do Estado de São Paulo como Orquestra Filarmônica de Rio Claro, Orquestra Engenho Barroco, Coro da OSESP, do qual foi integrante durante cinco anos, Orquestra Acadêmica de São Paulo, Coro e Orquestra Audi Coelum e AmeriCantiga, em obras como IX Sinfonia de Beethoven, Glória em D de Vivaldi, Sinfonia nº 2 Lobgesang de Mendelssohn, na Messe de Minuit pour Noël, de Charpentier, no Réquiem em Memória de Camões, de Domingos Bontempo, e nas óperas A Flauta Mágica, de Mozart e Dido e Enéas, de Purcell.

Em 2006 integrou o grupo AmeriCantiga, representando o Brasil no VI Festival de Música Antiga Missiones de Chiquitos na Bolívia. Atualmente tem se dedicado à música antiga integrando, além do grupo AmeriCantiga, os grupos Audi Coelum, sob regência de Roberto Rodrigues e Stile Antico, sob regência de David Castelo. Atuou recentemente como solista convidada do Ensemble Sagittarius, grupo alemão especializado na obra de Heinrich Schütz em concerto realizado em Passau, na Alemanha, interpretando “Kleine Geistliche Konzerte”.

Atualmente, cursa o Mestrado em Língua Alemã na USP e a Pós-graduação em Fonoaudiologia com Especialização em Voz pela PUC-SP e é regente dos coros Fundacentro, Martin Luther e Coro Infantil da Casa Matheus e regente assistente do Coral Itaú.

 

 

 

Claudia HabermannClaudia Habermann - soprano

Natural de Leme, São Paulo, formou-se em piano pelo Conservatório Municipal de Música Cacilda Becker em Pirassununga em 1994. Em 1997 iniciou seus estudos de canto com a professora Gledys Pierry (Campinas - SP).

Em 2000 graduou-se em Regência e em 2003 graduou-se em canto pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Integrou o grupo de música antiga Armonico Tributo dirigido por Edmundo Hora, com o qual participou de importantes festivais de música antiga e música colonial brasileira, realizando trabalhos como coralista e solista.

Em 2002 participou como solista convidada do grupo Klepsidra no IV Festival Internacional de Música Renascentista e Barroca da Bolívia - Festival Chiquitos. Participou da montagem das óperas O Empresário de W. A. Mozart, no papel de Zilberklang, realizada em Campinas em 2000; Rigoletto de Verdi, no papel de Gilda; O Guarani de C. Gomes, no papel de Cecy; e Fausto de Gounod, no papel de Marguerite, sendo as três últimas realizadas em Curitiba em 2002 e 2003.

Realizou trabalhos como solista com importantes maestros tais como: John Neschling, Aylton Escobar, Naomi Munakata, Fábio de Oliveira, Eduardo Ostergren e Parcival Modulo, nas obras Réquiem e Exultate Jubilate de Mozart; Réquiem de Fauré; Lobgesang e Elias de Mendelssohn  Glória de Vivaldi; Dixit Dominus e Messias de Haendel; entre outras.

Desde 2003 integra os coros Sinfônico e de Câmara da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, onde teve oportunidade de atuar como solista nas obras Dido e Enéas de Purcell, no papel de Belinda; Vespro della Beata Vergine de Monteverdi; e Dixit Dominus de Haendel, todos realizados na Sala São Paulo sob direção de Naomi Munakata em 2003 e 2004. Em 2005 foi solista na cantata nr.140 Wachet auf, ruft uns die Stimme de J. S. Bach, com o Coro de Câmara da OSESP, sob direção de Marcos Arakaki. Desde 2002 é aluna de Neyde Thomas (Curitiba - PR).
 

 

 

Roxana Kostka

Roxana Kostka - soprano

Nascida em Buenos Aires, desde cedo manifestou sua vocação para o canto erudito. Foi integrante do Coral de Crianças do Teatro Colón, participando de grandes óperas. Realizou seus estudos de canto com a professora Mirta Garbarini no Conservatório Municipal Manuel de Falla em Buenos Aires. Logo se tornou membro do Coral Nacional do Teatro Cervantes, onde atuou como solista.

Em São Paulo atuou como solista em obras do Maestro Silvio Baccarelli; na Ópera Dido e Enéas de Henry Purcell, e no Oratório de Natal de Camile Saint Saëns junto a Orquestra da USP sob a regência do maestro Carlos Moreno.

É integrante do Coral da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.
Atualmente prossegue seus estudos sob a orientação da professora Isabel Maresca.

 

 

 

Fabiana PortasFabiana Portas - mezzo soprano

A Mezzo Soprano Fabiana Portas teve seus estudos de canto orientados pelo tenor Marcos Thadeu e trabalha repertório com o pianista Ricardo Ballestero. No ano de 2003 ingressou no Coro da OSESP e atuou como solista junto à Orquestra Sinfônica da USP no Oratório de Natal de Camille Saint-Saëns, sob a regência de Carlos Moreno. Foi solista na Missa da Coroação de W. A. Mozart junto à Orquestra de Câmara da USP - OCAM e Coro do Estado de São Paulo sob a regência do Maestro Gil Jardim.

Participa desde a primeira série de concertos realizados pelo Coral Audi Coelum, que teve como idealizador e regente o maestro Roberto Rodrigues. Ainda com este grupo, interpretou a Cantata Pastoral de Alessandro Scarlatti “Non sò qual più m’ingombra” em primeira audição no Brasil.

É integrante do grupo Lira D’Orfeo, que tem como repertório as Modinhas Brasileiras dos Séculos XVIII e XIX. Atuou como solista na Cantata 129 de J. S. Bach, junto à Orquestra Sinfônica do Estado de SP e ao Coro de Câmara da Osesp sob a regência do maestro Hadrian Avila Arzuza e, com a Orquestra e Coro da Cidade de São Paulo, sob a regência de Luciano Camargo, foi solista no Messias de Haendel. Participou do Festival Música nas Montanhas de Poços de Caldas sob orientação da Professora Regina Elena Mesquita, como Maroquinhas Fru-Fru, da ópera homônima de Ernst Mahle.

(foto por Luis Fernando Carbonari)

 

 

 

Heloísa JunqueiraHeloísa Junqueira - mezzo soprano

Brasileira, natural da cidade de São Paulo, Heloísa Junqueira, meio-soprano lírico ligeiro, iniciou seus estudos musicais na Escola Municipal de Música, onde concluiu os cursos de teoria musical, harmonia e análise nas classes dos professores Mário Zácaro e Osvaldo Lacerda. Posteriormente, licenciou-se em música pela Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP. Fez Cursos de Extensão Universitária em técnica vocal e interpretação operística pela Universidade Federal do Paraná sob a orientação de Neyde Thomaz.

Como regente, esteve à frente de inúmeros conjuntos corais. Como coralista, participou de alguns dos principais coros e conjuntos vocais de São Paulo. Atualmente, é maestrina do Coral do Centro do Professorado Paulista e meio-soprano do Coral Lírico do Theatro Municipal de São Paulo.

Seus estudos de canto tiveram início com Martha Herr, tendo-os prosseguido com Leila Farah e Victória Kerbauy e, por intermédio da Fundação Vitae, aperfeiçoou-se com Neyde Thomaz, soprano brasileiro de carreira internacional. Atualmente apeferçoa-se com Carlos Vial. Fez “master classes” com os sopranos Renata Scotto (Brasil), Magda Oliviero (Brasil), Ingeborg Hans (Argentina) e Rita Patane (Itália). Depois de ter sido finalista nacional do IV Concurso Internacional de Canto “Luciano Pavarotti”, debutou profissionalmente no Theatro Municipal de São Paulo, na montagem da ópera “Cavalleria Rusticana”, interpretando a personagem Lola, com grande sucesso.

A partir daí, atuou nas montagens de “A Flauta Mágica”, “Gianni Schicchi”, “Il Campanello”, “L'Amico Fritz”, “Carmen”, “Show Boat”, ”O Barbeiro de Sevilha” e “As Bodas de Fígaro”.

Conhecida pela beleza de suas coloraturas, grande versatilidade e musicalidade, cantou ao lado de nomes como Daniel Muñoz, Graciela Alperyn e Thomas Potter. Na série “Vesperais Líricas” do Theatro Municipal de São Paulo, dentre suas inúmeras atuações, destacam-se as interpretações de CHARLOTE na ópera “Werther”, de Massenet, Angelina na ópera “La Cenerentola”, de Rossini e Nero na ópera “L’Incoronazione di Poppea”. Apresentou-se ainda em concertos como “Stabat Mater”, de Pergolesi e “Magnificat”, de Bach, além de Missas e Oratórios.

Heloísa Junqueira tem atuado junto aos principais maestros e diretores musicais do país, como Isaac Karabchevsky, Jamil Maluf, Luis Fernando Malheiro, Flávio Florence, Alessandro Sangiorgi, Mônica Meira Vasquez, Nicolau de Figueiredo, Túlio Colacioppo, Luis Augusto Petri, Abel Rocha, Naum Alves de Souza, Gabriel Villela, Walter Neiva, William Pereira, Iacov Hilel, entre outros.

 

 

 

Vânia PajaresVânia  Pajares - contralto

Iniciou seus estudos musicais em sua cidade natal, Gastão Vidigal, formando-se em Piano pelo Conservatório Musical de Monte Aprazível (SP).  Ingressou no Curso de Regência e de Piano, da Universidade Estadual de Campinas, formando-se em primeiro lugar na sua turma, no ano de 1991. Estudou Piano com Fernando Lopes e Canto com Niza de Castro Tank, tendo sido sua monitora junto às classes de Técnica Vocal e Canto no Curso de Música da UNICAMP. Concluiu seu Mestrado em Artes, com a nota máxima, no ano de 1995, com  a Tese “Fabiano Lozano e a Pedagogia Vocal no Brasil”.

Desde o início de 2000, é docente do Departamento de Artes Cênicas da UNICAMP, onde leciona Técnica Vocal e Canto para o Ator, além de ser responsável pelo Opera Estúdio do Departamento de Música, da referida Universidade. Atualmente dedica-se ao seu Doutoramento, na linha de pesquisa da técnica vocal aplicada à  Música Brasileira.

Como pianista, atua como correpetidora das temporadas líricas no Teatro Municipal de São Paulo desde 1993. Participou  de inúmeras montagens de óperas, cortinas líricas e Musicais, na capital e em cidades do interior  e também em outros estados, tais como Paraná, Santa Catarina, Bahia , Distrito Federal, Piauí , Minas Gerais e Amazonas. Em 2001 foi indicada para o Prêmio Carlos Gomes, na categoria “ Melhor Pianista”. Em 2003, tocou no Teatro Colón, em Buenos Aires, num recital com a soprano Inglesa Lynne Dawson.

Como cantora, interpretou Serpina, da ópera La Serva Padrona, Mercedes, da ópera Carmen, Terceira Dama, da ópera A Flauta Mágica, Angelina, da ópera La Cenerentola, Zerlina, da ópera Don Giovanni  e Dona Ana, da ópera A Moreninha, de Ernst Mahle, em sua estréia mundial.  Foi solista de obras tais como El Amor Brujo de DeFalla, Quatro Madrigales Amatorios, de J. Rodrigo, Requiem, Missa da Coroação e Vespri S. de Confessore, as três obras de Mozart.

Tendo trabalhado com alguns dos maiores nomes da música vocal do Brasil e do mundo, Vânia participou de vários cursos de Canto com profissionais do quilate de Magda Olivero, Teresa Berganza, Eva Marton, Rita Contino, Fedora Barbieri e  Virginia Zeani e de eventos com Dennis O’Neill, Luis Lima, Gail Gilmore, Enzo Dara, Fiorenza Cossotto  e  Claudio Abbado.

Vânia realizou o Baixo-Contínuo , ao cravo , nas óperas D.Giovanni (1995 e 1999), Il Barbiere di Siviglia (1997), Le Nozze di Figaro (2000 e 2002) e L’Oca del Cairo (2001).

Desde 2002 é responsável pela Assistência Musical das óperas do Teatro Municipal de São Paulo. Foi responsável pela preparação musical e vocal do elenco da peça “Os Lusíadas”, produzida por Ruth Escobar e dirigida por Iacov Hillel , no início de 2001 e de “Romeu e Julieta”, em 2002, dirigida por William Pereira.

 

 

 

Vesna BankovicVesna Bankovic - mezzo soprano

Nascida em Belgrado, Iugoslávia, iniciou sua formação musical aos seis anos estudando violino e, posteriormente, canto com a professora russa Ludmila Gross. Graduou-se em 1997 na Universidade de Música de Bucareste, na Romênia, com bolsa de estudos do governo Romeno. Como cantora solista, apresentou-se com a Orquestra de Câmara da RTV Romênia (maestro Ludovick Bacz), com a Sinfonia de Bucareste (Florin Totan), com a orquestra da Ópera Nacional (Alexandru Petrovici), com o Continuo Early Music Ansamble (Dan Racoveanu) e com outros regentes, como Pieralberto Cattaneo (Itália) e Alexander Vuoi'c (Iugoslávia).

Morando em São Paulo, foi solista e integrante do Coral Studio (Marco Antônio da Silva Ramos) e, em 1999, fez parte do corpo docente do Festival Eleazar de Carvalho, em Fortaleza. Como solista, destacou-se em óperas como Cosi Fan Tutte de Mozart, Eugene Onieg de Tchaikovsky, Alzira de Verdi, Halka de Moniusczko, Stabat Mater de Boccherini e de Pergolesi, Messias e Joshua de Handel, Paixão segundo São João de Bach, Exsultate Jubilate, Requiem e Litanei de Mozart, Paulus de Mendelssohn, Jahreszeiten e Schöpfung de Haydn, além de cantatas de Bach e nos Requiens de Mozart e Fauré. Também foi solista do Early Music Ensemble Renaissance, em Belgrado. Como solista da OSESP apresentou-se em La petite Messe sollenelle de Rossini, Messe de Cesar Franck e Dido & Eneas de Purcell, no papel de Dido. Apresentou-se em recitais de música de câmara na Iugoslávia, Romênia, França, Grécia e Brasil. Desde junho de 2000 integra o naipe de sopranos nos Coros Sinfônico e de Câmara da Osesp e, de julho de 2002 a julho 2004, assumiu a função de monitora do naipe de sopranos dos dois coros. Em 2004 passou para o naipe de mezzo-sopranos.

Trabalha sob orientação da professora Isabel Maresca.

 

 

 

Clarissa CabralClarissa Cabral - mezzo soprano

Nascida na cidade de Santos, iniciou seus estudos artísticos e musicais na Escola Municipal de Iniciação Artística, aos cinco anos. Em 1993 ingressou na Escola Municipal de Música onde estudou piano, flauta transversal e atualmente estuda cravo. Nesta escola teve seus estudos orientados por Sonia Albano, Wilson Rezende e Terezinha Saghaard, entre outros. Em 2003 começou a dedicar-se ao trabalho de técnica vocal, sendo orientada pelo tenor Marcos Thadeu.

Durante os anos de 2001 a 2006 cursou no Departamento de Música da Universidade de São Paulo o Bacharelado em Instrumento/Piano, orientada pelo prof. Dr. Amilcar Zani Netto.

Sempre ativa e interessada em ampliar seus conhecimentos, participou de festivais: Oficina de Música de Curitiba, I Festival de Interpretação da Escola Municipal Música, 28º. Festival de Música de Prados e X Festival de Ourinhos. Cantou em masterclasses com: Ian Storey, Heidi Grant Murphy, Peter Dauelsberg, Nicolau de Figueiredo e Ricardo Kanji.

Desenvolve paralelamente a sua atividade artística, uma dissertação de mestrado que será apresentada na Universidade de São Paulo. Neste trabalho intitulado “Os Lieder de Clara Schumann”, orientado pelo prof. Dr. Amilcar Zani Netto, estuda parcela importante da obra dessa compositora.

Atualmente aperfeiçoa seu trabalho vocal com a orientação de Marcos Thadeu. Desde 2007 é integrante do Coral Audi Coelum regido por Roberto Rodrigues e também do Coro Sinfônico da OSESP regido por Naomi Munakata.

 

 

 

Rúben AraújoRuben Araújo - tenor

O tenor Rúben Araújo iniciou seus estudos de canto em São Paulo tendo como professores Cláudia Arcos, Luís Tenaglia, Carmo Barbosa e Eiko Senda. É bacharel em canto pela Faculdade de Artes A. Machado onde teve aulas de Estúdio Ópera com o Maestro Abel Rocha. Participou de master classes com Mario Videla, Nicolau Figueiredo, Helmuth Hilling e Marius von Altena e, em Paris, teve aulas com o soprano Anne-Marie Auger.

Tem se dedicado em particular ao repertório de música antiga e de câmara e entre outras atuações como solista destacam-se o Magnificat, o Oratório de Páscoa e várias cantatas de J. S. Bach, o Messias de Haendel e o Oratório de Natal de Schütz. Cantou ainda as Liebeslieder-Walzer de Brahms, o Dichterliebe de Schumann e o Stabat Mater de Amaral Vieira. Foi solista do Oratório de Natal de Bach junto a Orquestra Municipal de Santos sob regência de Gustavo Petri e da Missa em Si Menor deste mesmo compositor com a Camerata Antiqua de Curitiba sob regência de Ricardo Kanji.

Em 2003 foi o “sailormen” da Ópera Dido & Eneas de Purcell apresentada no Teatro São Pedro sob regência de Abel Rocha, com direção de Iacov Hillel. Em 2004 cantou o papel do Arlechino da ópera Il Pagliacci de Leoncavallo encenada na Casa de Cultura de Israel.

Na Sala São Paulo, dentro da programação da OSESP, foi solista em obras como a Petite Messe Solenelle de Rossini e o Vespro della Beata Vergine de Monteverdi e cantou o papel do Erste Gefangener da ópera Fidelio de Beethoven sob regência do maestro John Neschling. Foi solista das cantatas 93, 177 e 140 de J. S. Bach no teatro São Pedro junto ao coro e orquestra de câmara da OSESP.

É integrante do Coral da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo desde 2003 e também participa do Grupo Audi Coelum desde a sua fundação, junto ao qual tem se apresentado em obras do período medieval ao contemporâneo.

(foto por Heloísa Bortz)

 

 

 

Emanoel VelozoEmanoel Velozo - tenor

Iniciou seu aprendizado musical aos 9 anos com a Prof. Izabel Nunes e ingressou no Conservatório Estadual de Música de São João Del Rei onde estudou Canto e Flauta Transversal. Graduou-se em Canto no Conservatório Brasileiro de Música (RJ) na classe da Profª Patrícia Peres.

Freqüentou diversos cursos de canto com Vânia Soares, Ivonete Muller, Maria Helena Betsi, Patrizia Morandini, Marconi Araújo e Elenis Guimarães e um curso internacional de canto com o Barítono Martin Krasnenko de Köln, Alemanha.

Foi preparador vocal do Coro Barroco da Bahia, com o qual cantou como solista a ópera A Flauta Mágica e o Requiem de Mozart, o Oratório de Natal de Bach, o Messias de Handel e diversos concertos de música barroca.

Já se apresentou em diversos concertos e recitais destacando-se o concerto dedicado à música de Nietzsche, na PUC de Belo Horizonte, na UFJF, em Juiz de Fora e na UFSJ de São João Del Rei.

Foi professor do curso de Canto e Canto-Coral do Conservatório Estadual de Música Padre José Maria Xavier da cidade São João Del Rei. Desde novembro de 2003 integra os Coros de Câmara e Sinfônico da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e atualmente recebe orientação vocal da Profª Marta Herr.

 

 

 

Guilherme BraccoGuilherme Bracco - tenor

Formado em Música Erudita (modalidades Regência e Canto) pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), desenvolveu seus estudos sob orientação dos professores Dr. Carlos Fiorini e Dr. Eduardo Ostergren, em Regência, Dra. Adriana Giarola Kayama, em Canto, Vânia Pajares, em Ópera Estúdio, Dra. Adriana Giarola Kayama, Dra. Helena Jank e Dr. Emerson Luis de Biaggi, em Música de Câmera, entre outros.

Ainda na universidade, desenvolveu pesquisa como bolsista do CNPq que resultou no estudo “O processo de muda vocal: uma revisão bibliográfica com ênfase na bibliografia em língua portuguesa”. Foi aluno bolsista do Festival de Canto de Piracicaba por três anos seguidos onde desenvolveu repertório lírico e de canção sob a orientação dos professores Dra. Niza de Castro Tank, Francisco Frias, Achille Picchi, Suzel Cabral e Lenine dos Santos. Participou também de masterclasses ministrados pelo renovado maestro e contratenor Marconi Araújo e aperfeiçoa-se vocalmente e em regência, esta última sob orientação do emérito professor e maestro Henrique Gregori.

Cantou junto a renomados grupos como o Coralusp (Coral Universidade de São Paulo), sob regência da Maestrina Sandra Espiresz, e o Collegium Musicum, sob regência do Maestro Abel Rocha, em São Paulo. Atuou, em 2000, na ópera La Traviata (G. Verdi), sob a regência do Maestro Carlos Fiorini. Atuou em concerto a frente da Orquestra Sinfônica da Unicamp, em Campinas, com a Sinfonia No. 39 e árias da ópera A Flauta Mágica, ambas de Mozart, e em recitais, sendo seu último recital solo intitulado Do olhar amado - canções e árias de amor, em Campinas.

Dirigiu a Orquestra de Cordas Dedilhadas do Instituto de Artes da Unicamp e a Orquestra Jovem Suzuki de Barão Geraldo, de cordas, em Campinas, e trabalha com professor de canto, preparador vocal e regente em corais de empresas particulares.

 

 

 

Fábio Vianna PeresFabio Vianna Peres - tenor

Natural de Niterói - RJ, é bacharel em música pela UNI-RIO e Pós-graduado em Canto pela Faculdade de Música Carlos Gomes, de São Paulo. Vem se dedicando à pesquisa e interpretação da música barroca, renascentista e medieval, tendo estudado com especialistas no gênero tais como Monique Zanetti, Marcel Pérez, Pierre Hamon e Homero Magalhães Filho. Foi integrante do grupo vocal "Anonimus", com o qual gravou em 1993 um CD de música renascentista. Integrou também o Coro e Orquestra Barroca "Armonico Tributo", sob a direção de Edmundo Hora, com o qual gravou o CD "America Portuguesa", em 1999. Como diretor e cantor do conjunto CAPELA ULTRAMARINA, realizou intenso trabalho de pesquisa e interpretação da música portuguesa quinhentista, apresentando o programa "Cantigas & Vilancetes" em diversas cidades brasileiras, participando também do IV Encontro de Musicologia Histórica (Juiz de Fora - MG, 2000), com uma comunicação sobre esta pesquisa. Desenvolve, de forma autônoma, pesquisa sobre o estilo concertante na Catedral de São Paulo em fins do século XVIII, apresentando esta pesquisa no V Encontro de Musicologia Histórica (Juiz de Fora - MG, 2002).

Integra, desde julho de 2000, os Coros Sinfônico e de Câmara da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, junto ao qual vem atuando como solista em diversas ocasiões das quais destacam-se a ópera “Dido et Aeneas” de Henry Purcell, em outubro de 2003 e o “Vespro della Beata Vergine” de Claudio Monteverdi, em julho de 2004.

 

 

 

Daniel IssaDaniel Issa - tenor

Arquiteto formado pela USP, estudou canto com Eiko Senda, Adélia Issa e Helly-Anne Karam. Transferiu-se para Basiléia, Suíça, ao ser aceito na Schola Cantorum Basiliensis, Musikhochschule der Stadt Basel, sob orientação de Gerd Türk, tendo sido beneficiado com uma bolsa de estudos da Fundação Rapp e formando-se com diploma de solista em 2006.

Através de masterclasses recebeu orientação de Hans Peter Blochwitz, Nicolau de Figueiredo, Marius Van Altena, Julia Gooding, Andrew King (Londres), Sherman Lowe (Veneza) e Margreet Honig. Atualmente estuda na Konzertklasse de Peter Brechbühler na Musikhochschule Luzern, e é integrante do Schweizer Opernstudio na Hochschule der Künste Bern.

Interpretou papéis solistas em: The Fairy Queen (H. Purcell) e Le Nozze di Figaro (W.A. Mozart) com o Musique des Lumières e Opera Obliqua, Céphale et Procris (E. Jacquet de la Guerre) no Festival Les Muséiques Basel, Sweet Passion and Pain (H. Purcell) no Stadttheater Sursee, Visitatio Sepulchri (ein mittelalterliches Osterspiel des 13. Jh. aus Tours) com o Freunde Alter Musik Basel, La Passione di Gesù Cristo Signor Nostro (A. Caldara) e Mesdames de la Halle (J. Offenbach) no Volkshaus Biel e Il Marito giocatore (G. Orlandini), no papel-título, com o Concerto de’ Cavalieri no Festivale di Musica Antica di Salerno.

Integrou também os grupos Musica Fiorita, Ensemble Turicum, Orlando Fribourg, Capella Obliqua, La Sestina, Perlaro e outros dirigidos por Ton Koopman, Anthony Rooley, Bruce Dickey, Luiz Alves da Silva, Facundo Agudin e Daniela Dolci. Como solista realizou também tournées na Letônia (oratório Il Pianto e il Riso delle Quattro Stagioni, de Benedetto Marcello), China (programa renascentista transmitido pela televisão estatal chinesa), França, Itália, Alemanha e Espanha.

Gravou no Brasil o CD Canções Seculares dirigido por Tiago Pinheiro, e na Suíça o CD Motecta 1572 com música de Tomás Luis de Victoria com o grupo La Sestina, sob direção de Adriano Giardina.

Seus próximos projetos incluem concertos em Nürnberg e Modena e papéis solistas em Céphale et Procris de E. Jacquet de la Guerre na Markgräfliches Opernhaus em Bayreuth, Le Memorie Dolorose, de J.H. Schmelzer, La Sonnambula de V. Bellini e La Périchole de J. Offenbach no Teatro de Biel-Solothurn, e na criação da ópera Tod im St. Johann de Andreas Pflüger em Basiléia.
 

 

 

 

Sabah TeixeiraSabah Teixeira - barítono

Nascido em Natal (RN), graduou-se em Música com habilitação em Canto pela UFRN - instituição na qual lecionou como professor substituto as disciplinas de Canto, História da Música e Percepção Musical.

Como solista tem sido convidado para atuar, especialmente no repertório de Música de Câmara, em grupos como a Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte, Orquestra Sinfônica da Paraíba, Orquestra de Câmara e Coro Sinfônico da Osesp, Coro do Estado de São Paulo e Coral Luther King.

No seu repertório destacam-se as Cantatas BWV 129, 203 e 214; Magnificat em Ré maior de Bach; Missa Breve de Kodály;  Rejoice in the Lamb de Benjamin Britten; Missa de Alcaçus de Danilo Guanais; Missa em G de Schubert; Missa em C de Mozart, Te Deum de Charpentier; Requiem de Mozart; dentre outras.

Desde 2002 integra os Coros Sinfônico e de Câmara da Osesp.

 

 

 

Diógenes GomesDiógenes Gomes - barítono

Natural de Osasco - SP, iniciou seus estudos musicais aos 8 anos ao piano. Em 1990 integra o Coralusp onde participa dos ensaios para a montagem do oratório “O Messias” de Handel. Em 1992, passa a integrar o Coral da Sociedade Bach de São Paulo onde, sob direção de Mônica Meira Vasquez, apresenta-se no Theatro Municipal de São Paulo no oratório “Saul” (Handel) e também com a Orquestra Sinfônica da USP solando a “Cantata BWV 147” de Bach. Integrante do Coral Paulistano desde 1995, apresenta-se regularmente na série “Vesperais Líricas” do Theatro Municipal de São Paulo interpretando trecho de óperas de Mozart (“A Flauta Mágica, As Bodas de Fígaro”), Rossini (“O Barbeiro de Sevilha, L’ Italiana in Algeri”), Humperdink (“Hansel und Gretel”) e Massenet (“Werther”). Como solista destacam-se apresentações com o Coral Paulistano e Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo no “Réquiem” (Fauré), “Ode a Santa Cecília”(Purcel), “Missa da Coroação”, “Litanie Lauretane” (Mozart), “Die Sieben Wort Jesu Christ am Kreuz (Schütz) e as Cantatas BWV 26 e 39 de J. S. Bach com a Orquestra Sinfônica de Santo André sob regência de Flávio Florense no Ano Bach, entre outros. Atualmente desenvolve estudo de matérias teóricas com Alberto Cunha, repertório e técnica vocal com Helly-Anne Caram.

 

 

 

Silas de OliveiraSilas de Oliveira - barítono

Natural de São Paulo, iniciou os estudos de música na Fundação das Artes em São Caetano do Sul. É cantor do Coro Sinfônico e do Coro de Câmara da OSESP desde suas formações, tendo atuado como solista em diversos concertos. Participou da gravação em áudio e vídeo do projeto "A História da Música  Brasileira" - Período Colonial, com o grupo Vox Brasilienses, sob direção de Ricardo Kanji.

Além de diversos concertos realizados no Brasil, participou da Exposição 'Brésil Baroque-Entre Ciel et Terre' no Petit Palais em Paris. Pelo Núcleo de Ópera da Faculdade Santa Marcelina atuou nas óperas "Bastien & Bastienne" de Mozart e "Il Mondo della Luna" de Haydn com direção musical de Emiliano Patarra e direção cênica de Bete Dorgan. Atualmente desenvolve técnica vocal e repertório com a professora Lenice Prioli.

 

 

 

Carlos Eduardo VieiraCarlos Eduardo Vieira - barítono

Graduou-se em Canto pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), em 2000, na classe de Márcia Guimarães, e pelo Centro de Estudos Musicais Tom Jobim (ex-ULM), em 2004, sob orientação do professor Francisco Campos Neto. Atualmente é orientado pelo professor Antonio Lotti.

Em 1998 foi terceiro colocado no XV Concurso Nacional Cidade de Araçatuba. Em 1999 recebeu o prêmio de melhor intérprete de Osvaldo Lacerda no V Concurso de Interpretação da Canção de Câmara Brasileira. Em 2000 recebeu medalha do mérito profissional no grau de cantor e intérprete, outorgada pela Academia Brasileira de Arte, Cultura e História. Em 2001 atuou junto ao coro Berliner Singakademie em Berlim, Alemanha. A partir de 2001 assumiu o cargo de Diretor Musical da Catedral Evangélica de São Paulo. Em 2002 realizou turnê em Portugal apresentando obras brasileiras como solista do Coral Camargo Guarnieri. Em 2003 foi finalista do IV Concurso Internacional de Canto Lírico Bidu Sayão e, em 2004, do VI Concurso de Interpretação da Canção de Câmara Brasileira.

Atua em recitais e concertos e como cantor do grupo de música antiga Il Dolce Ballo. Em junho atuou como Guglielmo em montagem da ópera Cosi Fan Tutte de Mozart em São Paulo e, em outubro, como Figaro no Barbeiro de Sevilha de Rossini com a Orquestra Sinfônica de Americana.

 

 

 

Nibaldo AranedaNibaldo Araneda - baixo

O chileno Nibaldo Araneda iniciou a carreira musical no Brasil no Coralusp, onde teve a oportunidade de estudar técnica vocal, teoria musical e regência. Participou dos Cursos de Canto Lírico da ULM - Universidade  Livre  de  Música - , da Escola Municipal de Música e formou-se Bacharel em Música pela UNESP. Participou da fundação do Coral da Sociedade Bach, do Madrigal Levare, do Grupo Vox e, como integrante do octeto Lux Profana, gravou o CD Iluminuras, Música Silenciosa.

Como solista, destacam-se a sua atuação à frente do Coral Sinfônico do Estado de São Paulo na Missa em G Maior de Shubert, na Missa de Joseph Jorgen e na Missa em G Menor de Vaughan Williams. Além disso, participou de diversas óperas, destacando-se como Uberto na Serva Padrona de Pergolesi e, nas óperas de Mozart As Bodas de Fígaro e Bastien e Bastienne, como Bártolo e Colas, respectivamente.

Paralelamente ao canto, Nibaldo desenvolve o trabalho de Arranjador e Compositor. Entre as suas obras destacam-se as executadas pelo Coral da OSESP: Canción Primaveral, sobre poema de Federico García Lorca, e Canção do Aflito – Salmo 102, obra vencedora do I Concurso Nacional de Composição Coral promovido pela APARC – Associação Paulista de Regentes Corais. Atualmente é Monitor do Coral da OSESP e Regente do Coral do Clube Paulistano e do Coral da Sociedade Harmonia de Tênis.

(foto por Viviana Morilla )

 

 

 

Rafael Palace LuzRafael Palace Luz - chantre

Nascido em São Paulo, iniciou seus estudos musicais em piano no Conservatório Instituto Normal de Música em 1988, onde também estudou violino, terminando o curso técnico em 1999. Atualmente cursa Composição e Regência na FAAM (Faculdade de Artes Alcântara Machado) sendo aluno dos professores Abel Rocha, Naomi Munakata e Marcos Khiel (flauta transversal).

Participou de cursos de regência na Oficina de Música de Curitiba (2002-04), Festival de Música Colonial Brasileira e Música Sacra de Juiz de Fora (2002), Festival Eleazar de Carvalho (Fortaleza-2003) e Festival de Brasília (2004), tendo como professores Mara Campos, Valéria Matos, Carlos Moreno, Roberto Farias, Lanfranco Marceletti, Oswaldo Ferreira e Markus Amgwerd.

Atuou por dois anos como monitor do Coralusp e também como regente da Orquestra de Cordas do Projeto Guri. Integra desde 2000 o Coral do Estado de São Paulo. Atualmente leciona pela EMIA – Escola Municipal de Iniciação Artística no CEU.

 

 

 

Marcelo QueirozMarcelo Queiroz - flautas

Bacharel em Composição pela ECA/USP, sob orientação de Willy Corrêa de Oliveira. Iniciou seus estudos em 1983 na Escola Municipal de Música de São Paulo. Foi aluno de Naomi Munakata, Sofia Helena Guimarães de Oliveira, George Olivier Toni, Mário Ficarelli, Aylton Escobar e Willy Corrêa de Oliveira, entre outros.

Participou do Conjunto de Flautas-Doce Guiomar Novaes, do Coralusp grupo Indaka e do Canto Coral Exsultate. Como camerista, apresentou repertório para flauta-doce dos séculos XVII, XVIII, XX e XXI.

Foi regente do Coral Sudameris e do Canto Coral Exsultate. Com este último apresentou obras como o Oratório de Páscoa, o Magnificat e a Cantata BWV 21 "Ich hatte viel Bekümmernis", de J. S. Bach e o Salmo 42 Op. 42 "Wie der Hirsch schreit nach frischem Wasser", de F. Mendelssohn-Bartholdy, junto às orquestras Sinfonia Cultura e USP Sinfonietta.

Premiado no "XII Concurso Nacional Ritmo e Som da UNESP" (1998) nas modalidades Arranjo e Composição.

Professor Doutor do Departamento de Ciência da Computação do IME/USP, onde desenvolve pesquisa em Otimização e aplicações à Acústica e à Música.

 

 

 

Patrícia MicheliniPatrícia Michelini - flautas

Nascida em São Paulo em 1971, é formada em Flauta Doce pela Fundação das Artes de São Caetano do Sul e em Composição Musical pela Escola de Comunicações e Artes – USP. Estudou flauta doce com Cristal Velloso, Isa Poncet e Ricardo Kanji, no Brasil, e com Hugo Reyne, Jean Pierre Boullet, Pierre Hamon e Bertho Driever, em cursos de aperfeiçoamento no Brasil, Bélgica e Itália. Estudou cravo e música barroca com Edmundo Hora e canto com Camila de Falleiro. Em 2006 iniciará sua pós-graduação na UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas), onde foi admitida para o curso de Mestrado em Música.

Há 15 anos vem se dedicando à prática, pesquisa e divulgação do repertório para Flauta Doce e da Música Antiga em geral através de atividades didáticas e artísticas. Foi professora convidada de flauta doce e música de câmara nos Festivais de Música de Prados (MG – 1989 e 1991) e São Caetano do Sul (SP – 2000, 2001 e 2005), atuou como professora convidada para educadores musicais no Conservatório Carlos Gomes (Campinas – SP) e na Escola de Música de Jundiaí (SP).

Como intérprete, destaca-se sua atuação em dois grupos: Il Dolce Ballo, especializado em música medieval e renascentista, com o qual lançou o CD “Amor & Devoção” em 2003, e Flustres, duo de flautas doce com David Castelo que tem como objetivo divulgar o repertório e as possibilidades técnicas do instrumento. Patricia também construiu uma importante carreira solo, tendo sido solista junto à Orquestra Barroca “Armonico Tributo” (Campinas/SP), Orquestra de Câmara de Jundiaí (SP), Orquestra de Câmara de Indaiatuba (SP), Orquestra “Oficina de Cordas” (Campinas/SP) e grupo Audi Coelum (SP).

Atualmente é professora de Flauta Doce, Canto-Coral e História da Música na Fundação das Artes de São Caetano do Sul, sendo também Coordenadora da Escola de Música desde 1999
 

 

 

 

David CasteloDavid Castelo - flautas

 Professor de Flauta Doce da Faculdade Carlos Gomes, David Castelo é formado em flauta doce pela Faculdade Santa Marcelina - SP, na classe da prof. Isa Poncet. No período de 1998 a 2003, David Castelo estudou no Conservatório Real de Haia (Holanda), orientado por Reine-Marie Verhagen e Peter van Heyghen. Nesta instituição obteve o "The Post-Graduate Certificate for Advanced Studies"; o "The First Phase Diploma" e o "The Seconde Phase Diploma" (Master’s of Music - Soloist Diploma), sendo esta a mais alta titulação concedida a um instrumentista na Europa. Ao longo de sua formação tem estudado com Ricardo Kanji, Edmundo Hora, Cléa Galhano, Hugo Reyne, Sébastien Marq, Marion Verbruggen e Kees Boeke.

Como intérprete e palestrante tem atuado nas principais capitais brasileiras bem como na Holanda, Alemanha e Itália, destacando-se os seguintes eventos: Festival Internacional Bach, solista junto à Orquestra Barroca do Conservatório Real de Haia (dir. Jaap ter Linden), Rotterdam, (Holanda), 1999; Curso de História da Música no Brasil Colonial no Centro Cultural Banco do Nordeste, Fortaleza(Ce), 2000; Festival Internacional Bach de Amsterdam, solista junto à Orquestra Colegium Musicum (dir. Tini Mathot), Holanda, 2001; Concerto de Abertura do Congresso Internacional Jeroun Bosch, Den Bosch (Holanda), 2001; Festival Internacional de Música Antiga de Deventer, solista junto à orquestra Colegium Musicum Den Haag, Denventer (Holanda), 2002; Master Class de flauta doce, Conservatório de Tatuí, São Paulo, 2003; Concerto Barroco, solista junto à Orquestra Sinfônica Nacional (dir. Ligia Amadio), Rio de Janeiro, 2003; After-Christmas Concert, Solista junto a orquestra Concerto Rotterdam (dir. Marien van Staalen), Rotterdam, 2003; XII Curso Internacional sobre o Método Kodály – Oficina de Flauta doce, São Paulo, 2004; II Semana de Música da Universidade Federal de Uberlândia - Curso de Flauta doce, Uberlândia(MG), 2004; Festival Internacional de Música de São Caetano do Sul, São Caetano do Sul(SP), 2000, 2001 e 2004.
 

 

 

 

Maurílio SilvaMaurílio Silva - flautas

 Natural de São Paulo, iniciou seus estudos musicais aos oito anos de idade.

Estudou em  diversas escolas de música, entre elas Escola Municipal de Música de São Paulo, Fundação das Artes de São Caetano, Universidade Livre de Música, Universidade de São Paulo (USP).

Na sua formação musical teve como professores: Jean Noel Saghaard, Valeria Bittar, Grace Loren Bush, Bernardo Toledo Piza, Toninho Carrasqueira, Marcos Kiehl.

Participou de Master Class com Brooks De Wetter-Smith (EUA), Michel Bellavance (Suíça), Michel Titt (Inglaterra), Ricardo Kanji (Brasil/Holanda), Wendy Rolfe (EUA).

É Bacharel em Música pela ECA/USP e desenvolve intenso trabalho musical erudito e popular.

Participou das gravações de diversos CDs, incluindo a trilha Sonora do filme “Babacu Livre” com músicas de Willy Corrêa de Oliveira.

Traz na bagagem a experiência de quem já tocou praticamente de tudo, do choro à música flamenca, de música renascentista à complexa música contemporânea.

 

 

 

Silvana ScarinciSilvana Scarinci - teorba e alaúde

Silvana Scarinci foi aluna de violão clássico de Álvaro Pierri, em Santa Maria, RS. Como violonista, apresentou-se extensamente no Brasil e Estados Unidos. Recebeu prêmios em ambos os países, destacando-se o prêmio de música de câmara, com a flautista Claudia Anderson, da Associação norte-americana National Flute Association, em 1989. Em 1995, definiu-se pelo alaúde, estudando com o alaudista francês, Vincent Dumestre. Participou de diversos cursos e festivais, entre os quais com Hopkinson Smith, Jakob Lindberg, Eduardo Egüez e Eugene Ferré. Em 1999, mudou-se para os Estados Unidos, onde estudou teorba, archiliuto e guitarra barroca. Em 2001, fundou o grupo Anima Fortis. Este grupo, especializado em música escrita por mulheres do período Barroco, foi premiado pela associação norte-americana Early Music América em 2002. O grupo apresentou-se no Bloomington Early Music Festival (2001, Indiana) e Berkeley Early Music Festival (2002, Califórnia).
Foi professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre) e Universidade Livre de Música (São Paulo). Possui diversas publicações no Brasil e Estados Unidos. Atualmente é responsável pela cadeira de História da Música na Escola Municipal de Música de São Paulo.
É doutora pela Universidade Estadual de Campinas e pesquisadora da FAPESP, dedicando-se à pesquisa da compositora italiana do século XVII, Barbara Strozzi. Em 2004 realizou estágio na Scuola di Paleografia e Filologia Musicale da Universitá di Pavia, Cremona, Itália, dando prosseguimento a sua pesquisa de doutorado. Na Unicamp, é co-fundadora do Centro de Estudos Monteverdianos, um grupo dedicado à interpretação e estudo da obra deste compositor. Têm participado de várias produções de ópera barroca e outras grandes formas do período, destacando-se A paixão segundo São João de J.S.Bach (The Bloomington Chamber Singers, USA), I lavori d’amore persi (retirado da obra dramática de Claudio Monteverdi sob a direção de Nigel North, USA), Dido and Aeneas (direção de Abel Rocha, SP) e La liberazzione di Ruggiero della Isola de Alcina de Francesca Caccini (direção de Elimar Machado, Londrina). Em julho de 2005 e 2006, foi professora da cadeira de alaúde no Festival de Música de Londrina, vindo a dirigir, ao lado de Marília Vargas e Pedro Novaes, uma montagem da ópera Orfeo de Claudio Monteverdi.
 

(foto por Luis Fernando Carbonari)

 

 

 

Rosimary ParraRosimary Parra Gomes - alaúde e vihuela

Nascida em l970, em Santo André (SP), é graduada em Violão pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Em sua formação teve como professores Giacomo Bartoloni e Edelton Gloeden (violão), Peter Dauelsberg (música de câmara) e Orlando Marcos Mancini (harmonia e contraponto). Em 2003 concluiu o mestrado em Música pela UNESP com pesquisa direcionada para a utilização dos instrumentos de cordas dedilhadas na música do século XVI.

Participou de importantes festivais de música e simpósios nacionais e internacionais de violão, onde esteve em master-classes com David Starobin (EUA), Abel Carlevaro (Uruguai), Eduardo Fernandez (Uruguai) entre outros. Em agosto de 1996 esteve como bolsista no curso "Música em Compostela" (Espanha), tendo aulas de técnica e interpretação da música espanhola com o professor José Luís Rodrigo.

Tem se dedicado à prática, estudo e pesquisa da música antiga por meio do conhecimento de repertório e desenvolvimento da técnica do alaúde e vihuela, recebendo orientação de Carin Zwilling (SP). Esteve também em master-classes com os alaudistas Vincent Dumestre (França), Nigel North (Inglaterra), Luciano Contini (Itália ) e Hopkinson Smith (Suíça) no curso de música antiga da Oficina de Curitiba (jan/ 2002). Em 1999 participou do XXXI Curso Internacional de Música Antiga de Urbino, na Itália, no qual integrou a classes de alaúde, sob orientação de Andrea Damiani, prática de música medieval e notação antiga.

Suas atividades como intérprete concentram-se em recitais solo de violão e trabalhos camerísticos ao violão, alaúde e vihuela, principalmente junto a cantores. Desde 1997 é integrante do grupo de musica antiga Il Dolce Ballo, com o qual tem realizado diversos concertos em teatros, unidades do SESC e outras salas da Grande São Paulo.
 

 

 

 

Regina VasconcellosRegina Vasconcellos - violoncelo

Natural de Porto Alegre, iniciou seus estudos musicais aos cinco anos com seus pais.

Em l975 ingressou no curso fundamental de música no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, estudando piano com Norma Bojunga e violoncelo com Jean Jacques Pagnot.

Transferindo-se para São Paulo, deu prosseguimento aos seus estudos de violoncelo na Escola Municipal de Música sob orientação de Zigmunt Kubala.

Em l985, passou a integrar a classe de alunos do violoncelista Watson Clis.Em l987, integrou a Orquestra Sinfônica da Paraíba,ocupando a posição de Concertino.

É bacharel em violoncelo pela Faculdade Mozarteum de São Paulo. Atua intensivamente como camerista na área erudita e tem participações com grandes nomes da música popular tais como Milton Nascimento, Vânia Bastos , Toquinho, Ivan Lins e outros. Desde l988, integra a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo  dirigida pelo Maestro John Neschling.

 

 

 

José Olmiro BorgesJosé Olmiro Borges - Viola da Gamba

Formado em Letras pelo UniFMU (São Paulo), iniciou seus estudos musicais no Conservatório Pernambucano de Música (CPM), em 1995. Em 1997 recebeu as primeiras orientações sobre a Viola da Gamba com Mário Orlando e desde então tem se dedicado a este instrumento, através da execução de peças solo e também na realização do Baixo Contínuo.

Manteve-se em vários grupos representativos do CPM e participou de diversos cursos de especialização na área de música antiga, tais como: Recife e Olinda, nos anos de 1995 a 1998, nas Oficinas de Música Antiga de Curitiba, em 1999 e 2003, onde teve aulas com Eunice Brandão e Juan Manuel Quintana, no 22º Curso Internacional de Verão da Escola de Música de Brasília, em 2000, no qual fez o Curso de Especialização de Nível Técnico em Viola da Gamba, sob a orientação de Maria Cecília Aprigliano.

Participou de diversos master-classes direcionados para a música antiga, ministrados pelos professores: Ilton Wjuniski (França), Homero de Magalhães Filho (França), Gaetano Nasilo (Itália), Nicolau de Figueiredo (Suíça), Marcelo Gianini (Suíça), Marco Hovart (França), Dolores Costoyas (Argentina), entre outros.

Apresentou-se em diversas salas de concertos das várias cidades brasileiras, tais como: Theatro Municipal de São Paulo, Teatro Sérgio Cardoso e Sala São Paulo (sob regência de Mara Campos), Belo Horizonte, Teatro Pró-Música (Juiz de Fora), Seminário Santo Antônio (Agudos), Capela da PUC, Museu da Casa Brasileira, Concertos Matinais na Sala São Paulo (sob regência de Abel Rocha), Escala Espaço Cultural (Campinas), Centro Cultural, Livraria Cultura, Casas de Cultura de São Paulo, SESC Santo André etc.
Em julho de 2005 participou, junto ao Grupo Camena e o Coral Paulistano (TMSP), da montagem de um extrato da obra “L´Orfeo” de Claudio Monteverdi, sob a regência de Mara Campos.

A convite da Fundación Mozarteum de Uruguay e com o apoio da Embaixada do Brasil no Uruguay, o “Dúo Auleum” – formado pelo gambista José Olmiro e a cravista Maria Eugênia Sacco, ministrou master-classes de viola da gamba e cravo, em Montevidéu, onde realizou o recital de inauguração da “Sala Hugo Balzo del Nuevo Complejo SODRE”.
 

 

 

 

Regina SchlochauerRegina Schlochauer - cravo

Pianista e cravista, faz recitais no Brasil e no exterior, com repertório que abrange da Renascença até a música contemporânea.

Estudou piano com Henri Jolles, Isabel Mourão e Gilberto Tinetti, e cravo com Helena Jank e Gertrud Mersiowski. Complementou seus estudos com Stanislav Heller na Casa do Brasil em Londres, e participou de cursos na França com a cravista Huguette Dreyfus.

Tocou sob a regência dos maestros Abel Rocha, Alceo Bocchino, Benito Juarez, Henrique Morelenbaum, Isaac Karabtschevsky, Jamil Maluf, Osvaldo Colarusso, Ronaldo Bologna, Parcival Modolo, Luís Gustavo Petri, Lutero Rodrigues, Rodrigo Vitta, Roberto de Regina, entre outros.

Foi professora de piano no Conservatório Musical Brooklin Paulista e orientadora de Percepção Musical, Piano e História da Música no Coralusp. Também lecionou Historia da Música e Piano no Bacharelado em Música Sacra no Seminário J. M. da Conceição, em S.Paulo. Atualmente é professora de Cravo e Piano na FAAM - Faculdade de Artes Alcântara Machado, onde já lecionou História da Música Brasileira e Música de Câmara. É Mestre pela Escola de Comunicações e Artes da USP com a dissertação A chegada do piano no Rio de Janeiro.

Participou da série Concertos Didáticos nas Escolas, da Funarte, e de recitais do PAC - Plano de Ação Cultural da Secretaria do Estado da Cultura de São Paulo. Integra o Duo Orfeus, com o oboísta com Gilson Barbosa, e o Trio Sonata, com Gilson Barbosa e a flautista Lourdes Carvalho. Tem uma gravação solo de música brasileira, Brasil, álbum de sons e formas, e dois CDs solo de música para cravo, Um cravo bem variado I e Um cravo bem variado II.

Como produtora cultural idealizou a série Música no Pateo (com cerca de 60 concertos no Pateo do Collegio), os áudio-visuais 500 Anos a Bordo de Teclados e Brasil - Álbum de Sons e Formas, a série de concertos Sobretudo, Bach e Uma História da Música Bem Acompanhada. Durante anos produziu os Cursos de Cultura Schlochauer em São Paulo. Em Santos criou o Spacultural - Cursos de Música, onde são dados cursos livres de História da Música e Piano, e recitais de programas novos para Cravo e Piano.

www.reginaschlochauer.com.br

 

 

 

Michel de SouzaMichel de Souza - órgão

Natural de Petrópolis RJ, iniciou seus estudos musicais no Instituto dos Meninos Cantores "Canarinhos de Petrópolis"como menino cantor.

Graduado em Órgão com nota máxima e louvor pela Escola de Música da UFRJ na classe da professora Gertrud Mersiovsky, onde também estudou piano com Giulio Draghi, canto com Inácio de Nonno e cravo e baixo contínuo com Marcelo Fagerlande. Estudou ainda regência na Pro-arte RJ com Carlos Alberto Figueiredo e Gilberto Bittencourt.

Atuou como organista acompanhador e regente assistente dos "Canarinhos de Petrópolis" em tournes pelo Brasil, Chile, Estados Unidos, Portugal, Itália, Áustria e Alemanha, em festivais de órgão e como cravista e organista em partes de baixo contínuo. Como cantor solista atuou com regentes como Naomi Munakata, Carlos Alberto Figueiredo, Ernani Aguiar e John Neschling. 

Atualmente canta nos Corais Sinfônico e de Câmara e é regente do Coral Juvenil da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.

 

 

 

Ricardo PistoriRicardo Pistori - órgão

Natural de São Paulo, é graduado em órgão pela Faculdade de Música do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Desde 1986 é o organista titular da Paróquia Nossa Senhora da Candelária e, mais recentemente, atua como organista no serviço litúrgico do Mosteiro de São Bento de São Paulo. Tocou diversos recitais de órgão promovidos pela Associação Paulista de Organistas.

Estudou oboé sob orientação de Gilson Barbosa, Martin B. Lazarov e Alexandre Ficarelli,  tendo atuado como oboísta na Orquestra de Câmara Sinfonietta São Paulo e no Grupo de Prática de Instrumentos de Sopro da Universidade Livre de Música Tom Jobim.

 

 

 

Kenny SimõesKenny Simões - órgão

Kenny Simões é natural da cidade do Recife (PE) e desde 1987 reside em São Paulo.  Graduou-se em órgão erudito na Faculdade Santa Marcelina sob orientação de Dorotéa Kerr como bolsista da Igreja Luterana. Na Universidade Metodista de São Paulo fez seu mestrado em Ciências da Religião na área de Teologia e História como bolsista da Fundação Mary Speers e sob a orientação do teólogo e filósofo Jaci Maraschin com a Dissertação Lutero e a Música - Perspectivas.  Logo após a Graduação deu continuidade a seus estudos de órgão com Julia Brown ao órgão Cavaillé-Coll da Catedral da cidade de Campinas (SP), onde realizou também vários concertos solo.  Estudou cravo com Edmundo Hora e juntamente com violinista Álvaro Peterlevitz criou o Duo Kínêsis, apresentando-se na capital e interior paulista com repertório barroco. Participou da Académie Le Puy Musical em Rouen (França) tendo como professores Kurt Lueders e Joris Verdin. Em Montreal (Canadá) iniciou seu doutoramento em órgão sob orientação do organista e cravista Réjean Poirier e co-orientação do organista Sylvain Caron. Como organista, acompanhou também diversos corais da capital paulista sob a regência de Alberto Cunha, Dorotéa Kerr, Josely Antonio, Parcival Modolo, Roberto Rodrigues, Rodrigo Vitta e Sérgio Assumpção. Durante o ano de 2009 trabalhou como organista assistente da organista Elisa Freixo no projeto do órgão histórico restaurado da igreja Matriz de Tiradentes (MG), período no qual também apresentou concertos ao órgão histórico Arp-Schnitger da Catedral de Mariana (MG).

 

Participação Especial: Esther Góes - Atriz

Audi Coelum

Coral

Sopranos

Alessandra Ferrari Nascimento

Augusta Maria Bertoldi

Ana Maria Gomes

Clarty Bacic C. Galvão

Claudia Cruz

Claudia Habermann

Cristiane H.Q. Davidson

Dirma Dias Baptista

Edna Velloso de Luna

Evelyn Buarraj A. Prado

Fabiana Ruotolo

Fátima R. Pereira da Rocha

Helena Tamae Yamada

Irina Yuri Kawashima

Ji Sook Chang

Juliana Damião Christmann

Liliane Francioni Martins

Lissa Kawashima

Lucia Aya Shimizu

Luciana Platero

Marcia Diniz Costa

Maria Inês Seziki

Márcia Maria S. Araujo

Maria José Pavão

Maria Regina C. de Souza

Natália Aurea

Norma Lúcia Souza

Priscilla Borges

Rosana Cabral Amado

Rosemeire Moreira

Roxana Kostka

Sílvia Navarro

Suzana Anita Saccardo

Tatiana Rodrigues

Vera L. K. Katayama Gushi

 

Contraltos

Beatriz Brejon

Cátia Mari Matsuo

Clarissa Cabral

Eva Glenk

Fabiana Portas

Fátima Luz

Fernanda Cardona

Heloísa Junqueira

Isabel Vidigal

Izabel Donati Bracco

Katy Adelaide Nery

Marcia Hein

Márcia Keiko

Maria Nazareth Cardoso

Marinês Abrahão

Regina Peres

Renata Ferraz

Silvana Romani

Silvia Mithie Ueno

Simone P. C. de Almeida

Simone Tarine

Vanderlene Arradi

Vânia Pajares

Vesna Bankovic

Tenores

Alexandre C. Moraes

André Pavão

Claudio Rufino Martins

Cléber Luís Medeiros

Diogo Lembo

Emanoel Velozo Guerreiro

Ernani Mathias

Fabio Vianna Peres
Guilherme Bracco

João Ricardo da Cruz Oliveira

José Charles Paulino Silva

Lourenço C. Santos

Marcelo Albarici

Marcelo Dias Passos

Marcelo Queiroz

Marcio Viggiani

Pedro Vaccari

Renato M. Zaia

Ronaldo Assef

Rúben Araújo

Baixos

Agostinho Travençolo Junior

Abel José Timossi Godinho

Arnaldo Santa Rosa

Carlos Alberto dos Santos

Carlos A. Lourenço

Carlos E. Nava Cianflone

Carlos Eduardo Vieira

Diógenes Gomes

Fábio Davidson

Fabio Heydrich

Fernando José Real Leite

Gilberto Perissinotto

Israel Mascarenhas

Joel Crespin

José de S. e Mello Werneck

José Luiz Pimenta

Leandro Valverdes

Leandro Teixeira

Leonardo Tsuyoshi Ueno

Luís César Oliva

Luís Fernando Carbonari

Nibaldo Araneda

Otávio Simões

Pablo Carvalho

Paulo Afonso G. Fessel

Rafael Palace Luz

Roberto Rodrigues

Sergio Henrique Lima

Sérgio Sesiki

Silas de Oliveira

Tiago José Risi Leme

Tiago Kaltenbacher

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Orquestra

Abner Landim, violino
Álvaro Davi Peterlevtz
, violino

Andréa Campos, violino

Andreas Uhlemann, violino

André Sanches Nunes, violino

Artur Huf, violino (spalla)

Daniel Stein, violino barroco (spalla)

Fabio Chamma, violino barroco

Flavio Geraldini, violino

Gheorghe Voicu, violino

Gianni Visoná, violino

Gianpietro Saisi, violino

Martin Tuksa, violino (spalla)

Matthew Thorpe, violino (spalla)

Oxana Dragos, violino

Paula Thaís Brunelli Ramos, violino

Paulo César Paschoal, violino
Rafael Bion Loro, violino

Raquel Aranha, violino barroco

Ricardo Bem Haja, violino

Simona Cavuoto, violino (spalla)

Soraya Landim, violino

Tatiana Vinogradova, violino

Ugo Fonda, violino

Waldir Gomes, violino barroco
Winston Ramalho, violino

Abrahão Saraiva, viola

André Pretzel, viola barroca

Alexandre De Leon, viola

Paulo de Paula, viola barroca

Peter Pas, viola

Samuel Passos, viola

Fabricio Leandro Rodrigues, violoncelo

João Guilherme Figueiredo, violoncelo barroco

Lara Ziggiatti Monteiro, violoncelo

Marialbi Trisolio, violoncelo

Vitor Visoná, violoncelo

Ney Vasconcellos, contrabaixo

Rubens De Donno, contrabaixo

Tibô Delor, contrabaixo

Gustavo de Francisco, oboé barroco

Fabio Cury, fagote barroco

Marcos Fokin, fagote

Fernando Cardoso, trombone

Gilberto Gianelli, trombone

Marim Meira, trombone

Roney Stella, trombone

Clarice Cast, percussão

Júlio Souza, percussão

Otávio Simões, percussão

Vânia Pajares, castanholas
Lúcia Caruso, castanholas

Edilson de Lima, teorba & guitarra barroca